quarta-feira, julho 17, 2024
spot_img
InícioSUSPASSO A PASSO PARA UM BOM ATENDIMENTO PRÉ-HOSPITALAR

PASSO A PASSO PARA UM BOM ATENDIMENTO PRÉ-HOSPITALAR

Para garantir um atendimento pré-hospitalar eficiente, o primeiro passo é priorizar a segurança da cena. É fundamental criar um ambiente seguro para si mesmo, sua equipe e o paciente, evitando distrações e possíveis riscos externos, como tráfego de veículos, fios elétricos soltos, entre outros. É importante também afastar curiosos e indivíduos emocionalmente abalados para não prejudicar a assistência.

Em seguida, é essencial avaliar a cinemática do trauma para compreender as circunstâncias do acidente e antecipar possíveis lesões. Por exemplo, em casos de acidentes de carro, as testemunhas devem relatar detalhes do choque para determinar a força do impacto e possíveis lesões. Marcas no veículo também são indicativos importantes para direcionar o atendimento de forma eficaz.

Após essas etapas, é crucial acionar uma equipe de emergência, como o SAMU (192), para obter apoio extra e garantir uma resposta rápida a situações de urgência. Com a cena segura e o suporte adequado acionado, o socorrista pode iniciar o atendimento ao paciente traumatizado multissistêmico, seguindo protocolos de assistência ágil e de qualidade, especialmente se estiver atuando sozinho.

A –  vias aéreas e controle da coluna cervical

A avaliação  das vias aéreas e as condutas que garantem a sua permeabilizarão é prioridade no trauma. As principais causas de obstrução das vias aéreas são: queda da língua em pacientes inconscientes, presença de corpos estranhos, sangue e restos alimentares, fraturas de fase, traumas cervicais (ruptura da laringe e traqueia).

A maneira mais simples de diagnosticar problemas com as vias aéreas é através da resposta verbal da vítima, pois estando esta respondendo evidencia-se a permeabilidade das vias. Sinais como agitação, cianose ou respiração ruidosa podem significar obstrução das vias aéreas.

Outra questão importante neste item refere-se a colocação do colar cervical na vítima pois o politraumatizado até que provem o contrário é portador de lesões de coluna cervical.

B – Respiração e ventilação

A primeira etapa do atendimento inicial apenas garante ao paciente permeabilidade de suas vias aéreas, mas isso não significa que este esteja com ventilação adequada. Sendo assim torna-se fundamental a avaliação das condições ventilatórias do paciente.

A ventilação pode estar prejudicada por obstrução das vias aéreas, como por alterações da mecânica ventilatória ou por depressão do nervoso central. Formas de diagnosticar problemas de ventilação: procurar movimentações simétricas do tórax, caso haja assimetria sugere-se fraturas ou tórax flácido, frequência respiratória elevada pode indicar falta de ar, o oxímetro d pulso pode ajudar a identificar se a ventilação está sendo eficiente.

C – circulação com controle de hemorragia

A hipovolemia com consequente choque hemorrágico é a causa principal d morte nas primeiras horas após o trauma. Hipotensão arterial em vítimas de trauma deve ser sempre considerada como consequência de hipovolemia. Alguns parâmetros são de fundamental importância na avaliação inicial e determinação da hipovolemia: nível de consciência, coloração da pele, frequência cardíaca, pressão arterial, sudorese.

Tão importante quanto o diagnóstico do choque hipovolêmico é a determinação do ponto de sangramento. Após a localização da hemorragia medidas de contenção devem ser tomadas a fim de evitar lesões irreversíveis no paciente é até o seu óbito.

D – Exame neurológico

É uma rápida avaliação do estado  neurológico deve determinar o nível de consciência e a reatividade pupilar do traumatizado. O rebaixamento do nível de consciência é indicativo de diminuição da oxigenação, lesão direta do encéfalo ou uso de drogas e/ou álcool. Na avaliação inicial, utiliza-se o método AVDI.

A: alerta;
V: resposta ao estímulo verbal;
D: responde a estímulos dolorosos;
I: responsivo aos estímulos.

O exame neurológico mais detalhado do paciente deve ser realizado posteriormente e o mesmo deve ser realizado  posteriormente e o mesmo deve ser classificado de acordo com a escala de coma de Glasgow que irá melhor definir qual o estado neurológico do paciente.

E – exposição da vítima com controle da hipotermia

O paciente traumatizado deve ser completamente despido para facilitar o exame completo e a determinação de lesões que podem comprometer a sua vida. Para se evitar movimentos de fraturas ou luxações, as roupas devem ser cortadas antes da remoção.

A proteção do paciente contra hipotermia é de suma importância, pois cerca da metade dessas vítimas desenvolvem este tipo de alteração durante o atendimento inicial. A hipotermia exerce efeitos deletérios sobre o organismo do traumatizado portanto, deve protegido contra o frio através de cobertores aquecidos e infusão de líquidos.

É importante a utilização, pelos socorristas, da manta térmica. Ela retém o calor da vítima mantendo-a aquecida. O calor do sol também ajuda.

Outro ponto fundamental do atendimento pré-hospitalar é a parada cardiorrespiratória, saber identificá-la é fundamental para diminuir prováveis lesões cerebrais. Existem três passos fundamentais para o socorro a vítima:

1° – chamar o socorro, cheque o estado da vítima, se a vítima não responde chamar o SAMU 192 imediatamente.Após iniciar o procedimento de ressuscitação cardiopulmonar;
2° – reanimação precoce com ênfase nas compressões torácicas;
3° – desfibrilação rápida e precoce, nesse último é usado o desfibrilador identificando o ritmo cardíaco da vítima, decidindo se esse ritmo é ou não desfibrilhável e auxiliar nas manobras de ressuscitação.

Após isso se conseguirmos ressuscitar o nosso paciente é necessário a estabilização dele, a qual  é feita já na ambulância de suporte avançado ou já no hospital. Os minutos decorrentes desse tempo de compressões e uso do desfibrilador podem ser cruciais no que diz respeito a vida da vítima, pois são os  minutos de ouro dentro do atendimento pré-hospitalar.

A assistência prestada antes da chegada ao hospital é crucial para salvar vidas em diferentes circunstâncias. É essencial que os profissionais de saúde estejam preparados para agir rapidamente em situações de emergência.

Dica de leitura:

ARTIGOS RELACIONADOS

Sintomas da dengue

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

spot_img

Mais popular

comentários recentes